22 de junho de 2023

Sociedade Nacional da Agricultura: Entrevista com a Senadora Tereza Cristina

Confira a entrevista concedida pela senadora ao portal da Sociedade Nacional da Agricultura (SNA)

  • ESPALHE ESSA NOTÍCIA
  • FacebookTwitterWhatsAppTelegramLinkedIn
ESPALHE ESSA NOTÍCIA
  • FacebookTwitterWhatsAppTelegramLinkedIn
Por Marcelo SáEquipe SNA

A SNA conversou com a Senadora Tereza Cristina , engenheira agrônoma de formação e ex-ministra da Agricultura entre 2019 e 2022. Após atuação no Secretariado de Mato Grosso do Sul, foi eleita duas vezes deputada federal pelo estado, quando recebeu o convite para assumir a pasta. Após sua passagem pela Esplanada, venceu a disputa pela vaga no Senado e tem se destacado em poucos meses de mandato, como líder do seu partido na Casa.

Na conversa, ela fala sobre seus anos iniciais na iniciativa privada, sua entrada na política e os agitados anos de Ministério, em tempos de polarização e pandemia. Também elenca os principais desafios que enfrentou e como era a integração com outros titulares do governo, no enfrentamento das crises e implantação de políticas públicas.

A Senadora discorreu, ademais, sobre a necessidade de o agronegócio ser valorizado, as propriedades respeitadas e o gargalo logístico vencido, para que o País se consolide ainda mais como expoente do setor.

Parte de um grupo egresso da gestão anterior que teve forte êxito nas últimas eleições, ela reflete sobre a mudança de perspectiva ao voltar ao Congresso, dessa vez como oposição, e dos rumos para o futuro. Se diz otimista e expõe, a seguir, as razões para tanto. Confira!

SNA: A Sra. assumiu como Ministra após ser reeleita como deputada federal, e esteve no comando da pasta até março de 2022, para em seguida voltar ao Parlamento como senadora. Esse arco da sua trajetória coincide com um período especialmente turbulento no país, em meio à forte polarização política, desafios econômicos e uma pandemia. Como é participar tão ativamente do debate público durante esses anos de eventos tão marcantes?

Senadora: É muito desafiador. Vivi muitas fases e crises, e, para aprender e avançar, é preciso ter foco e fôlego. Minha trajetória me permitiu aprender. Depois de formada em Engenharia Agrônoma, trabalhei em propriedades rurais, empresas privadas e em entidades rurais e do Sistema S. Tudo isso me deu subsídio para dar assumir um cargo político no comando da Secretaria de Desenvolvimento Agrário, Produção, Indústria, Comércio e Turismo do Governo do Estado Mato Grosso do Sul. Acredito que os longos anos ali no Executivo Estadual, depois no Legislativo, no Executivo Federal, somados às experiências anteriores, foram importantes para abrir um panorama que possibilitou conhecer por dentro o setor agrário brasileiro.

Como ministra da Agricultura, enfrentei os desafios internos e externos, provocados por uma crise mundial na saúde pública. Mantivemos, em 2020 e 2021, o compromisso de preservar e cuidar dos setores essenciais, como a produção agropecuária nacional. Era nossa responsabilidade não só com o produtor, mas com toda a população brasileira, porque o alimento precisava chegar à mesa das famílias e os contratos de exportação tinham de ser honrados. E deu certo, graças aos esforços de muita gente! Tanto que o IBGE divulgou, à época, que o PIB do País caiu 9,7% no segundo trimestre de 2020, em relação ao primeiro, pois os setores econômicos sofreram durante a pandemia, devido, num primeiro momento, à necessidade de isolamento social e à queda da demanda. Mas a agropecuária foi o único setor produtivo que apresentou crescimento durante a pandemia.

Quanto à política, meu caminho sempre foi o do bom senso, o do diálogo, mesmo entre antagonistas, e da busca de equilíbrio, em favor do Brasil – e acho que o eleitor do meu Estado entendeu que a minha mensagem era coerente e sólida e me honrou com 60% dos votos válidos do Mato Grosso do Sul.

SNA: Há um choque de acomodação inevitável, ao retornar ao Congresso após sua gestão como Ministra? Sua percepção mudou após ocupar um cargo que é constante alvo de demandas e críticas, tanto de oposição quanto da base governista?

Senadora: É claro que há mudança de perspectiva, pois agora sou oposição.   No retorno ao Legislativo, pelo Senado, tenho de me dedicar ainda mais para obter resultados não só para o agro, mas para o desenvolvimento do País. Mas acho que as questões reais, as fundamentais, continuam as mesmas, e elas precisam ter continuidade, precisam ser resolvidas independentemente da ideologia política deste ou daquele governo.

O Ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, é um senador, e também um produtor rural, e me parece que tem esse entendimento, sabe o que o setor precisa. Além disso, temos de concluir parcerias estratégicas, como o acordo Mercosul-União Europeia.  Preocupo-me com a busca do equilíbrio fiscal, a simplificação dos impostos e o crescimento não só no agro, mas também na indústria e nos serviços.

SNA: O agronegócio é uma indústria pujante, que alavanca o PIB e gera empregos, além das exportações crescentes e da cadeia produtiva.  A representação política rural, da qual a Sra. faz parte, infelizmente ainda recebe um tratamento pejorativo da mídia em geral, que parece desconhecer ou minimizar o setor e sua robustez para a economia nacional e sua importância nas parcerias comerciais do país. O que, na sua opinião, está por trás dessa “má vontade”?

Senadora: Recentemente comentei com amigos que o Brasil parece realmente ter problemas em valorizar e reconhecer os brasileiros que fazem sucesso; às vezes penso que só algo irracional pode explicar a falta de respeito e apreço pelos produtores rurais, que seguram, como você mesmo disse, o PIB e a balança comercial. Aliás, a imprensa não usa produtores rurais, costuma falar “ruralista”, pejorativo, como você disse, quase sinônimo de um suposto atraso que perduraria no meio rural.

O papel da agropecuária brasileira, não só na economia, mas também na prosperidade das cidades no interior do Sul, do Centro-Oeste e do Sudeste, não é conhecido nem compreendido; a maioria talvez ainda não saiba como o agronegócio hoje é tecnológico, moderno e sustentável, como é obrigado a cumprir um exigente Código Florestal. O mundo rural não é mais algo primitivo e tosco.

Temos também as questões históricas, é claro, somos um País que foi colonizado.  A outra questão é ideológica, diz respeito à disputa política entre esquerda e direita, acentuada na atualidade desde a Assembleia Nacional Constituinte, quando se discutiu reforma agrária e conceito de terra produtiva. O fato é que, além do enfrentamento político, que faz parte da democracia, setores da esquerda tentam usar uma memória histórica negativa para tentar colar no agro moderno a imagem do passado. E construíram um discurso em que a atividade que hoje segura a economia é mal-vista. Mas acho que já conseguimos mostrar que não é bem assim.

É claro que não temos compromisso com o erro, muito menos com ilegalidades, mas associar, de forma generalizada, produtor rural a crime ambiental, como faz setores deste governo, é um absurdo. Neste sentido, foi bom o presidente Lula ir recentemente à FarmShow na Bahia e se mostrar aberto ao diálogo. Precisamos lembrar ainda que o Código Florestal é de 2012 e, antes disso, houve desmatamento, inclusive na metade dos assentamentos do Incra; e não só no campo; há sérios problemas nas cidades. Todos têm de se adequar, fazendo reparação ou compensação ambiental.

Acho que quem não acompanha a mudança e está preso em alguma cápsula do passado é parte da esquerda – com o MST invadindo terra produtiva, da iniciativa privada e até da Embrapa, em pleno 2023.

SNA: Quais os principais desafios que a Sra. enfrentou à frente do Ministério, e como procurou resolvê-los na medida em que pastas correlatas, como por exemplo a do Meio Ambiente, estiveram sob intenso escrutínio, até mesmo internacional? Como era o diálogo com outros titulares?

Senadora: O governo trabalhava de forma muito integrada, com o Meio Ambiente, a Economia, a Infraestrutura e o Itamaraty. Fomos muito testados a trabalhar em conjunto durante a pandemia, o grande desafio da minha gestão, pois não podíamos deixar faltar alimento, comida, para os brasileiros. Tínhamos de manter o campo, os frigoríficos e a agroindústria funcionando em segurança e os mercados abastecidos, como já comentamos. O ministro Tarcísio de Freitas, hoje governador de São Paulo, me ajudou muito na questão dos transportes de alimentos, o apoio aos caminhoneiros foi fundamental.

Na minha gestão, tive o objetivo de modernizar a defesa agropecuária, favorecer os pequenos no Plano Safra, incentivar os programas de inovação tecnológica e as práticas sustentáveis e ambientalmente corretas. Tive grande preocupação em termos informações e dados confiáveis e hierarquizados; criamos o Observatório da Agropecuária com este fim. Também investimos em criar uma ferramenta, o CAR (Cadastro Ambiental Rural) Dinamizado, para ajudar os estados a processar programas de recuperação ambiental.

As ocorrências na Amazônia Legal, sobretudo de queimadas e desmatamento ilegal, também foram um desafio, por sua enorme repercussão no exterior.  Mas o governo nunca ficou inerte, foi criada uma força tarefa só para isso, sob coordenação do então Vice-Presidente. Enfim, houve diálogo e trabalho integrado.

E nós desenhamos, ainda na transição, a união das diversas áreas afins sob o guarda-chuva da Agricultura, sem separar grandes de médios e pequenos produtores. Também estava no Ministério da Agricultura a Pesca, o Serviço Florestal, responsável pelo CAR, a Conab, que faz, entre outras coisas, a coleta de dados sobre nossas safras, e o Incra. Infelizmente, toda essa estrutura foi desfeita pelo atual governo.

SNA: O agronegócio precisa vencer o gargalo logístico, estrutural e de transporte que o impede de crescer ainda mais. A Sra. vem de um estado fundamental nesse xadrez de produção, armazenagem e escoamento. Que projetos do Congresso podem facilitar esse processo, e quão importante é conversar com as populações e gestores locais para isso, além dos representantes da iniciativa privada, cuja parceria será determinante?

Senadora: Nosso agro seria imbatível se contássemos com uma infraestrutura adequada, já ouvi isso até de concorrentes nos Estados Unidos. Dizem: “imagine, vocês têm essa pujança com todos os problemas internos que têm de transporte e logística”. Lá eles têm portos fluviais a 10 km das fazendas.  O Brasil é o terceiro maior produtor mundial de grãos, na soja somos os primeiros, e o País continua a crescer fortemente na agropecuária, como mostrou o último PIB do trimestre, com o setor subindo mais de 20%. E no Centro-Oeste, celeiro desses grãos, temos estradas em petição de miséria e dependemos do transporte em caminhões, quando deveríamos ter muito mais ferrovias e hidrovias para escoar   nossas safras.

As obras paralisadas, bem como a lentidão nas concessões, têm sido questionadas pelos senadores.  Estima-se que temos 12 mil obras inacabadas no Brasil, fruto da má gestão e dificuldades de investimentos público.  Nós temos demandas urgentes, os senadores reclamam muito do isolamento na região Norte. Estamos discutindo agora no Senado, inclusive já realizamos audiências públicas, o licenciamento ambiental. Sou relatora pela Comissão de Agricultura, do projeto que veio da Câmara.  Temos sim de preservar o meio ambiente e nossa biodiversidade, mas sem travar o desenvolvimento do País; não podemos ter estradas, ferrovias e outras obras fundamentais paradas eternamente pela falta de licença ambiental.

SNA: A Sra. e vários outros integrantes do governo Bolsonaro tiveram forte êxito nas eleições de 2022. A vitória desse grupo atesta uma aprovação mais difusa e abrangente da administração anterior, apesar do resultado desfavorável no pleito para presidente?

Senadora: Acho que uma boa definição para este cenário pós-eleições 2022 é este, que foi mencionado: “aprovação difusa e abrangente”. Nós, como oposição, obtivemos um número bem maior de parlamentares e estamos alinhados como oposição propositiva, sóbria, unida e vigilante. Isso é reflexo desse “êxito” que você mesmo mencionou na pergunta, porque somos parlamentares que têm bandeira definida e que receberam apoio da maior parte da população em diversas partes do País – ao contrário do que se pensava não era algo isolado, em nichos regionais. A oposição atual, na qual eu me incluo, representa solidamente a sociedade brasileira, tanto que temos essa força no Congresso. Então o governo, que tem uma base parlamentar diminuta, precisa ouvir e negociar com deputados e senadores.

SNA: A nova gestão tem discurso diferente quanto à segurança no campo, e as tensões, com disputas territoriais, cresceram durante a transição e após a posse do novo chefe do Executivo Federal. A Sra. experimentou um episódio pessoal lamentável nesse sentido. O País está retrocedendo no combate às invasões e danos a propriedades rurais? O que pode ser feito nesse sentido, a seu ver, num País deficitário em matéria de segurança pública e com um tamanho tão grande?

Senadora: A ameaça de invasão sempre gera insegurança jurídica e afeta o ambiente de negócios na agropecuária, o que pode acabar desencorajando investimentos e prejudicando a imagem do Brasil no cenário internacional. Fica difícil o novo governo se dissociar da responsabilidade por atos de tensões no campo, dada a sua ligação com o MST. Isso faz com ainda com que o atual governo possa ser acusado de negligente com aqueles que perturbam a paz no campo. Por causa desses extremos, temos hoje uma CPI do MST na Câmara dos Deputados. Felizmente, no meu caso, foi uma tentativa de invasão com poucas pessoas, logo dissuadida pela ação pacífica da Polícia Militar.

O próprio presidente Lula disse agora, em sua primeira live, que não é preciso invadir terras. O fato é que toda e qualquer autoridade constituída tem a responsabilidade de garantir a segurança pública e a proteção dos direitos constitucionais de todos, inclusive dos proprietários rurais, que precisam ser respeitados. O Incra tem em seu poder 90 milhões de hectares para assentamentos – é só concluir bem os processos de reforma agrária. Nos últimos quatro anos, como ministra da Agricultura, distribuímos mais de 460 mil títulos para assentados. Nosso objetivo foi proporcionar dignidade, liberdade e oportunidade de geração de renda e desenvolvimento nas regiões onde os assentamentos estão localizados.

SNA: Está otimista, no geral, com o futuro do agronegócio brasileiro?

SenadoraDepois de tudo que conversamos aqui, não há como não estar. Se o governo não atrapalhar, o agro vai continuar batendo recorde de produção, de geração de empregos, de PIB e de balança comercial.

Fonte: https://www.sna.agr.br/entrevista-com-a-senadora-tereza-cristina/

Notícias

17 de abril de 2024

Senado aprova isenção de IR para quem ganha até dois salários mínimos

Oposição defendeu benefício para outras faixas, mas governo vetou

Ler mais

16 de abril de 2024

Senado aprova em dois turnos PEC das Drogas

Senadora Tereza Cristina votou a favor da medida

Ler mais

CAE aprova relatório de Tereza Cristina que permite abatimentos nas dívidas com a União

16 de abril de 2024

Ler mais

Senado assina acordo de cooperação técnica com foco na língua portuguesa

15 de abril de 2024

Ler mais

PP cresce mais de 30% em número de filiados no MS

11 de abril de 2024

Ler mais