Por que votei a favor da PEC 241 – Novo Regime Fiscal

Assim que a Proposta de Emenda Constitucional foi apresentada no Congresso Nacional, muita gente me perguntou porque votaria a favor.

 

A PEC estabelece um limite para os gastos públicos do Governo Federal. A situação econômica do País, não é nada boa. É a pior recessão da nossa história, o governo anterior gastou muito mais que arrecadou.

 

Desde o início de meu mandato como deputada federal assumi o compromisso com a sociedade de que não concordaria com a criação de novos impostos e a volta da CPMF que neste momento de crise poderiam ser uma alternativa do governo para aumentar a carga tributária.

 

A sociedade brasileira não merece a volta da hiperinflação. O equilíbrio fiscal foi desprezado no governo do Partido dos Trabalhadores durante anos. O resultado dessa má gestão é o déficit público crescente e juros mais altos. A dívida pública da união disparou de 53,8 % para 70 % do PIB.

 

Como vamos investir em políticas públicas se o Estado ficou ineficiente? Neste momento a melhor política social é a recuperação do emprego. São 12 milhões de desempregados. A taxa de desemprego cresceu em todos os estados brasileiros no segundo trimestre, em Mato Grosso do Sul a taxa foi registrada em 7%, conforme dados do IBGE.

 

É necessário colocar as contas em dia e reparar a queda de nossa economia, gerar emprego e reconquistar os investidores. Por isso, a aprovação dessa PEC é fundamental. Se nada for feito, não haverá recursos para a Saúde e Educação e o País poderá entrar em depressão crônica.  

 

Sabemos que a PEC traz medidas amargas, entretanto ela atua na causa fundamental do problema fiscal, que é o crescimento acelerado dos gastos públicos.

 

Por estas razões, votei a favor, porque vejo a recuperação do protagonismo econômico do Brasil. Propor limitação de gastos significa buscar eficiência que no final irá beneficiar a todos