Tereza Cristina contribui para o fortalecimento do agronegócio em MS

O Mato Grosso do Sul era conhecido como um estado voltado para a pecuária e a agricultura. Nos últimos anos, a realidade vem sendo alterada gradativamente com a chegada de empresas e indústrias de diversos ramos e isso tem proporcionado uma mudança e crescimento da economia. A atração destas empresas tem modificado a atuação do homem do campo, retirando lavouras e pastos para a implantação de outras culturas como cana de açúcar, milho e plantação de árvores de reflorestamento. Para atender essa nova demanda, é preciso investir em capacitação, treinamento e novas tecnologias, tornando o mercado estadual competitivo frente aos outros estados brasileiros e países.

Devido a esse crescimento o número de exportações também acompanhou esse ritmo, entretanto o Mato Grosso do Sul passou a não mais exportar somente matéria-prima e sim produtos industrializados. O campo tem sido um dos principais responsáveis para o desenvolvimento e aumento do Produto Interno Bruto (PIB), trazendo mais recursos e contribuindo para a qualidade de vida do sul-mato-grossense.

“Temos trabalhado para dar continuidade a industrialização do estado sem esquecer do agronegócio. O Mato Grosso do Sul possui um potencial muito grande e os investidores estão descobrindo isso a cada dia. É preciso trabalhar as particularidades de cada região, definir políticas públicas adequadas para expandir o setor e criar condições para que assentados e indígenas possam se desenvolver”, destaca Tereza.

Para que o Mato Grosso do Sul possa continuar nessa nova realidade, é preciso desfazer nós e disponibilizar a melhor estrutura para o investidor. No estado existem rios navegáveis, estradas que ligam todas as cidades aos grandes centros consumidores e uma malha ferroviária que deve ser incentivada.

“O investidor gosta de segurança em suas ações. Durante minha gestão na Seprotur, atraímos novas tecnologias e incentivamos o homem do campo a se capacitar. Com isso foi possível apresentar para pessoas de diversos países um novo estado, com potencial de agronegócio e pronto para ser trabalhado. Hoje temos uma logística muito grande e tem deixado empresários maravilhados com nosso futuro”, disse Tereza.